Através de tecnologia, as Fintechs diversificam os meios de captação dos recursos, modificam os processos de avaliação de risco e concessão de crédito, ampliam a abrangência dos seguros e principalmente, reduzem os custos das intermediações financeiras.

As Fintechs estão alcançando nichos que os bancos não atendem ou não se interessam – como as pequenas empresas, iniciantes no mercado financeiro, transações de baixo valor ou clientes de baixa renda.

As inovações e novas tecnologias em cursos no mercado global não representam o fim do sistema bancário, mas a possibilidade de diversificação da estrutura atual, de quebra do monopólio e uma ampliação do acesso ao sistema financeiro.

Confira a seguir, as mais valiosas Fintechs e os Modelos Bancários na Era Digital.

As 10 Fintechs mais Valiosas no Mercado Global

1. Ant Financial – China: sistema de crédito compartilhado e plataforma de serviços financeiros ligada a Alibaba Group.

2. Qudian – China: crédito on-line para pequenos consumidores na China.

3. Oscar – USA: empresa de tecnologia voltada ao desenvolvimento de seguro de saúde.

4. Lufax – China: plataforma on-line para a originação e negociação de ativos financeiros.

5. ZhongAn – China: plataforma on-line de seguros

6. Atom Bank – UK: serviços bancários através de aplicativo em smatphones

7. Kreditech – Alemanha: fornecimento de crédito a pessoas com pouco ou nenhuma experiência com crédito.

8. Avant – USA: sistema on-line de fornecimento de crédito a consumidores.

9. Sofi – USA: plataforma on-line de crédito e refinanciamento de dívida.

10. JD Finance – China:  serviços e produtos financeiros para consumidores, startups e PMEs.

As 10 Fintechs mais Valiosas no Mercado Brasileiro

1. Nubank:  serviços financeiros, atuando como operadora de cartões de crédito e banco digital.

2. VivaReal: negociação de imóveis on-line.

3. Creditas:  plataforma especializada em empréstimo com garantia.

4. Guiabolso: aplicativo para ajudar no controle financeiro pessoal.

5. Pritzi: assinatura de assistência técnica independente para celular.

6. Bidu: Comparador de seguros que agrega produtos de saúde, casa e auto.

7. Sacapp: plataforma de aconselhamento e recuperação de crédito digital online.

8. Tacerto.com: corretor de seguros online de carro, saúde, viagem.

9. Intoo: plataforma B2B que facilita obtenção de crédito de bancos e investidores institucionais.

10. Picpay: aplicativo de pagamento usando seu cartão de crédito ou saldo da sua carteira PicPay.

Modelos Bancários na Era Digital

1. Manutenção do Modelo Atual

No modelo atual os bancos fornecem toda cadeia de produtos financeiros, para o varejo e para empresas. A manutenção desta estratégia tende a ser a opção de maior risco e menor margem de retorno.

Na Era Digital um número crescentes de provedores estão oferecendo um produto financeiro único, a um custo menor e com melhor atendimento.

2. Provedores de Infraestrutura

Neste modelo o banco se torna um fornecedor de serviços para empresas do mercado financeiro.

A proposta é livrar o mercado financeiro de alguns custos fixos e outros ligados ao excesso de regulamentação, viabilizando o modelo através do volume de processos e da economia em escala.

3. Agregador

No modelo agregador, um banco se transformaria em um distribuidor de produtos e serviços financeiros, desenvolvidos por diversos parceiros.

O Agregador eliminaria os altos custos de desenvolvimento e adequação regulamentar de toda cadeia de produtos financeiros, utilizando sua capilaridade, para dar acesso a uma ampla gama de valores.

O desafio do modelo agregador é convencer seu cliente de que seus serviços e sua prateleira são melhores do que a do concorrente.

4. Plataforma Aberta

Os bancos ofereceriam um pequeno número de produtos com rótulos próprios, definidos como estrategicamente importantes – como contas correntes e pagamentos – ou aqueles nos quais possuem vantagem competitiva – como empréstimos. O restante da plataforma estaria aberta a produtos de terceiros.

Portanto, as plataformas abertas têm as vantagens do modelo agregador, sem perder a força do modelo verticalizado.

Fonte: Ben Robinson, Head Strategy, Marketing & Innovation @Temenos | Run the Swiss Technology and Banking on the Edge Chris Skinners.

Os Bancos Brasileiros na Era Digital

Seja por limitação ou excesso de confiança, o sistema financeiro no Brasil apresenta mudanças de layout, como se fossem inovações tecnológicas. Transformam atualizações dos sistemas atuais em peças de marketing e as divulgam como se fossem grandes inovações.

O espaço dos bancos no Brasil, mantidos e protegidos por fronteiras políticas e acomodadas em modelos pouco competitivos, poderá ter no advento das Fintechs uma chance de diversificação, de maior acesso ao crédito e de redução dos custos. 

Outras Fontes de Pesquisa

MIT: Digital Banking Manifesto – The End of Banks

Visual Capitalist – Jeff Desjardins: 27 Fintech Unicorns, and Where They Were Born

McKinsey&Company: Bracing for seven critical changes as fintech matures

KPMG: FINTECH100

PwC: How FinTech is shaping Financial Services

Capgemini – World Fintech Report 2017

BCG: Fintech in Capital Markets – Land of Opportunity

Accenture: Blockchain Technology

Delloitte: Making Blockchain Real for Loyalty

PwC: Blockchain – The $5 billion opportunity for reinsurers

GoldmanSachs: Putting Theory into Practice

Morgan Stanley: Blockchain in Banking: DisruptiveThreat orTool?

Credit Suisse: Blockchain – The Trust Disrupter

World Economic Forum: Blue Print of Digital Identity

Google: GOOGLE STRATEGY TEARDOWN

Share This