A imagem da Política vem passando por um processo de deterioração constante, desde meados da década de 1960.

Conforme pesquisas realizadas nos países membros da OECD (¹), 58% dos cidadã os não confiam em seus respectivos Governos Nacionais e 81% não confiam nos partidos políticos.

Pesquisa conduzida pela Pew Research Center(²) revelou que, 81% dos cidadãos norte americanos não confiam no Governo, 80% julgam que os programas governamentais são malexecutados, 55% se julgam mais capazes de resolver os problemas nacionais do que os eleitos e 74% acreditam que os políticos colocam seus interesses  particulares à frente dos de Estado.

Os países de renda média na América Latina sofrem de uma “desconfiança estrutural” em seus Governos. Independente do processo de redemocratização, ocorrido na década de 1980, a Política na América Latina é vista pela sociedade como um espaço de conexão entre as elites, alimentado pela corrupção, protegido pelo clientelismo e com baixa capacidade de gestão.

No caso do Brasil, os índices de aprovação ao Governo Nacional variaram entre o apogeu e o colapso, em um intervalo de apenas 5 anos. O apogeu em outubro de 2010, quando 83% dos cidadãos avaliaram o governo de Luís Inácio da Silva entre Ótimo/Bom, e o colapso, em agosto de 2015, quando 71% dos cidadãos brasileiros qualificaram o governo de Dilma Rousseff, entre Ruim/Péssimo.

Na pesquisa de opinião realizada em março de 2018, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), apenas 5% dos brasileiros consideram o governo do presidente Michel Temer como Bom/Ótimo e 72% como Ruim/Péssimo.

Independente das mazelas específicas de cada região ou de cada país, o que torna perigosa a descrença generalizada da sociedade moderna em seus sistemas políticos é o surgimento de posições radicais ou de soluções populistas, que ofendam a liberdade e a inteligência dos cidadãos.

Com esperança e um pouco de sorte, a persistência dos políticos em se manterem distantes da sociedade levará a imposição de novas formas de governança, libertando a sociedade de estruturas envelhecidas de poder que, perpetuam o distanciamento entre classes e sistemas ultrapassados de relacionamento entre líderes e comandados.

Referências

(¹)OECD Observer: Is there still time to save our trust in government? – Bill Below, OECD Directorate for Public Governance and Territorial Development

(²)Pew Research Center: Beyond Distrust: How Americans View Their Government.

(³) Pesquisa Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Share This